logo_smart
iconefaceiconeutubeinonelinkedin iconeflickr
 
 
 
Categorias: Energia.
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInCopy LinkPrintShare

Programa foca na inserção de tecnologias de armazenamento de energia no sistema elétrico brasileiro.

 

A CPFL Energia investirá R$ 66 milhões em seu Programa de Armazenamento de Energia, que consiste em uma série de três projetos de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) para analisar os impactos da utilização de sistemas de armazenamento de energia (como baterias) em toda a cadeia do sistema elétrico. Os projetos serão desenvolvidos de 2017 a 2021 e irão envolver 126 profissionais e pesquisadores, contando com a participação de três universidades brasileiras.

A partir de aplicações e análise de dados reais, o programa tem como objetivo investigar os efeitos e impactos da inserção de tecnologias de armazenamento de energia no sistema elétrico brasileiro. Essas análises permitirão aos profissionais recomendarem ajustes a fim de aprimorar setores como a geração, transmissão, distribuição de energia.

Nos segmentos de geração e transmissão, os estudos analisarão como as baterias podem contribuir para otimizar a produção de energia elétrica de fontes renováveis intermitentes – como a eólica e solar, além de mitigar possíveis investimentos em linhas de transmissão. Serão investidos em torno de R$ 26 milhões neste projeto e as pesquisas serão realizadas em usinas eólicas da CPFL Renováveis localizadas no Rio Grande do Norte, em parceria com acadêmicos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), do Instituto de Tecnologia Edson Mororó Moura (ITEMM) e da PSR Consultoria em Energia.

Na distribuição, com investimento aproximado de R$ 32 milhões, serão desenvolvidas aplicações de sistemas de armazenamento para redes elétricas, desde a subestação em alta e média tensão até o consumidor em baixa tensão. O projeto terá integração com outras iniciativas de P&D em curso pela CPFL Energia, como mobilidade elétrica e geração solar distribuída, e os investimentos em Smart Grid.

Até 2026, a expectativa é que a capacidade instalada de baterias de grande porte conectadas à rede elétrica alcance em torno 18 mil MW e as de baterias de pequeno porte, de uso doméstico, 16 mil MW, de acordo com dados da Navigant Research. Atualmente, o uso das baterias para as duas finalidades é um pouco superior a 1,5 mil MW.

 
 

CPFL Energia investe R$66 milhões em Programa de Armazenamento de Energia

FacebookTwitterWhatsAppLinkedInCopy LinkPrintShare

Programa foca na inserção de tecnologias de armazenamento de energia no sistema elétrico brasileiro.

 

A CPFL Energia investirá R$ 66 milhões em seu Programa de Armazenamento de Energia, que consiste em uma série de três projetos de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) para analisar os impactos da utilização de sistemas de armazenamento de energia (como baterias) em toda a cadeia do sistema elétrico. Os projetos serão desenvolvidos de 2017 a 2021 e irão envolver 126 profissionais e pesquisadores, contando com a participação de três universidades brasileiras.

A partir de aplicações e análise de dados reais, o programa tem como objetivo investigar os efeitos e impactos da inserção de tecnologias de armazenamento de energia no sistema elétrico brasileiro. Essas análises permitirão aos profissionais recomendarem ajustes a fim de aprimorar setores como a geração, transmissão, distribuição de energia.

Nos segmentos de geração e transmissão, os estudos analisarão como as baterias podem contribuir para otimizar a produção de energia elétrica de fontes renováveis intermitentes – como a eólica e solar, além de mitigar possíveis investimentos em linhas de transmissão. Serão investidos em torno de R$ 26 milhões neste projeto e as pesquisas serão realizadas em usinas eólicas da CPFL Renováveis localizadas no Rio Grande do Norte, em parceria com acadêmicos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), do Instituto de Tecnologia Edson Mororó Moura (ITEMM) e da PSR Consultoria em Energia.

Na distribuição, com investimento aproximado de R$ 32 milhões, serão desenvolvidas aplicações de sistemas de armazenamento para redes elétricas, desde a subestação em alta e média tensão até o consumidor em baixa tensão. O projeto terá integração com outras iniciativas de P&D em curso pela CPFL Energia, como mobilidade elétrica e geração solar distribuída, e os investimentos em Smart Grid.

Até 2026, a expectativa é que a capacidade instalada de baterias de grande porte conectadas à rede elétrica alcance em torno 18 mil MW e as de baterias de pequeno porte, de uso doméstico, 16 mil MW, de acordo com dados da Navigant Research. Atualmente, o uso das baterias para as duas finalidades é um pouco superior a 1,5 mil MW.

Categorias: Energia.
 

Leia também