logo_smart
iconefaceiconeutubeinonelinkedin iconeflickr
 
 
 
Categorias: Saúde e Educação.

Projeto alia educação e saúde. Alimentos são levados para casa e consumidos também por familitares. Foto: Levy Ferreira/SMCS

P

Na rede municipal de ensino de Curitiba (PR), 87 das 185 escolas já fazem atividades em hortas com a participação dos estudantes. São unidades escolares de tempo integral, nas quais o trabalho com a horta permite encaminhamentos interdisciplinares e possibilita o aprofundamento de conteúdos e das práticas educativas.

Além das questões ambientais, em que o estudante reconhece a importância do cuidado com os seres vivos e se identifica como um ser integrante da natureza, ele compreende, também, a necessidade de ingestão de água limpa e de alimentos saudáveis para a manutenção da saúde.

A forma como cada unidade desenvolve o trabalho varia. Na Escola Municipal Paulo Rogério Guimarães Esmanhoto, no Sítio Cercado, o projeto criado pelas professoras da Prática de Educação Ambiental consiste em aplicar os princípios do trabalho coletivo de forma teórica, em sala de aula, e de forma prática, com a construção da Horta Cooperativa. Participam mais de 100 estudantes da educação em tempo integral.

“O incentivo à alimentação saudável é desenvolvido com as famílias. As crianças colhem as hortaliças e levam para casa.” — Marli Terezinha Soltovski, diretora do Centro Municipal de Educação Infantil Santos Andrade.

“Em nossa escola, as crianças e muitos professores estão envolvidos com a horta. Os alunos plantam, limpam, colhem as hortaliças. Alguns professores também estão plantando, ao lado da horta, mudas frutíferas para fazer um pequeno pomar”, disse a articuladora Simone Goudart Ceruti.

Alimentação saudável

No Centro Municipal de Educação Infantil Santos Andrade, no Campo Comprido, a horta é um projeto realizado em parceria com o Horto Municipal de Curitiba. A atividade segue os seguintes conceitos: germinação de sementes; a fotossíntese; a importância do ecossistema; a destinação correta do lixo orgânico; a importância da reciclagem e a relação entre o homem e o veneno (inseticida).

“Além disso, o incentivo à alimentação saudável é desenvolvido com as famílias. As crianças colhem as hortaliças e levam para casa, sendo solicitado pelas professoras que façam a higienização com as famílias e o registro em fotos para integrar o portfólio da turma”, explica a diretora da unidade, Marli Terezinha Soltovski.

Na Escola Municipal Madre Teresa de Calcutá, no Sítio Cercado, o cultivo da horta estimula as crianças a consumir verduras e legumes frescos e sem agrotóxicos. Os estudantes têm curiosidade de ver o crescimento das plantas e sentir seu gosto. “São plantados alimentos de rápido crescimento, para que os possam degustar as verduras e os legumes”, afirma a professora Maria Rosenéia Rodrigues de Oliveira.

Recentemente, a unidade fez a primeira colheita – 40 pés de alface crespa. A verdura foi enviada para as famílias dos alunos. “Quando falamos em horta, logo imaginamos um dos espaços da escola que pode beneficiar toda a comunidade escolar e enriquecer a prática pedagógica de modo sustentável”, destaca a gerente de Educação em Tempo Integral da Secretaria Municipal da Educação, Luciana Cristina Nunes de Faria Okagawa.

P

Por Prefeitura de Curitiba
 
 

Estudantes criam horta e “produzem” a própria merenda em Curitiba

Projeto alia educação e saúde. Alimentos são levados para casa e consumidos também por familitares. Foto: Levy Ferreira/SMCS

P

Na rede municipal de ensino de Curitiba (PR), 87 das 185 escolas já fazem atividades em hortas com a participação dos estudantes. São unidades escolares de tempo integral, nas quais o trabalho com a horta permite encaminhamentos interdisciplinares e possibilita o aprofundamento de conteúdos e das práticas educativas.

Além das questões ambientais, em que o estudante reconhece a importância do cuidado com os seres vivos e se identifica como um ser integrante da natureza, ele compreende, também, a necessidade de ingestão de água limpa e de alimentos saudáveis para a manutenção da saúde.

A forma como cada unidade desenvolve o trabalho varia. Na Escola Municipal Paulo Rogério Guimarães Esmanhoto, no Sítio Cercado, o projeto criado pelas professoras da Prática de Educação Ambiental consiste em aplicar os princípios do trabalho coletivo de forma teórica, em sala de aula, e de forma prática, com a construção da Horta Cooperativa. Participam mais de 100 estudantes da educação em tempo integral.

“O incentivo à alimentação saudável é desenvolvido com as famílias. As crianças colhem as hortaliças e levam para casa.” — Marli Terezinha Soltovski, diretora do Centro Municipal de Educação Infantil Santos Andrade.

“Em nossa escola, as crianças e muitos professores estão envolvidos com a horta. Os alunos plantam, limpam, colhem as hortaliças. Alguns professores também estão plantando, ao lado da horta, mudas frutíferas para fazer um pequeno pomar”, disse a articuladora Simone Goudart Ceruti.

Alimentação saudável

No Centro Municipal de Educação Infantil Santos Andrade, no Campo Comprido, a horta é um projeto realizado em parceria com o Horto Municipal de Curitiba. A atividade segue os seguintes conceitos: germinação de sementes; a fotossíntese; a importância do ecossistema; a destinação correta do lixo orgânico; a importância da reciclagem e a relação entre o homem e o veneno (inseticida).

“Além disso, o incentivo à alimentação saudável é desenvolvido com as famílias. As crianças colhem as hortaliças e levam para casa, sendo solicitado pelas professoras que façam a higienização com as famílias e o registro em fotos para integrar o portfólio da turma”, explica a diretora da unidade, Marli Terezinha Soltovski.

Na Escola Municipal Madre Teresa de Calcutá, no Sítio Cercado, o cultivo da horta estimula as crianças a consumir verduras e legumes frescos e sem agrotóxicos. Os estudantes têm curiosidade de ver o crescimento das plantas e sentir seu gosto. “São plantados alimentos de rápido crescimento, para que os possam degustar as verduras e os legumes”, afirma a professora Maria Rosenéia Rodrigues de Oliveira.

Recentemente, a unidade fez a primeira colheita – 40 pés de alface crespa. A verdura foi enviada para as famílias dos alunos. “Quando falamos em horta, logo imaginamos um dos espaços da escola que pode beneficiar toda a comunidade escolar e enriquecer a prática pedagógica de modo sustentável”, destaca a gerente de Educação em Tempo Integral da Secretaria Municipal da Educação, Luciana Cristina Nunes de Faria Okagawa.

P

Por Prefeitura de Curitiba
Categorias: Saúde e Educação.
 

Leia também

 
Governança e economia

Visto eletrônico deve injetar R$ 1,4 bi...

A entrada no Brasil de turistas provenientes dos Estados Uni...


Leia mais
Resiliência e Segurança

Vice-presidentes do ISCBA fazem reunião...

Os vice-presidentes do Instituto Smart City Business America...


Leia mais
Mobilidade Urbana

Veículos autônomos devem ser usados no...

P Um novo estudo da UITP (Associação Internacional de Transp...


Leia mais
Sociedades Inteligêntes

Uso inteligente de recursos naturais pod...

A ONU informou na semana passada (17/03) que o uso mais inte...


Leia mais