logo_smart
iconefaceiconeutubeinonelinkedin iconeflickr
 
 
 
Categorias: Planejamento Urbano e Construção.
moinho rebouças

Moinho Rebouças, uma antiga fábrica de processamento de erva-mate, será transformado em coworking público. FOTO: Arquivo/PMC

P

A Prefeitura de Curitiba apresentou na última quinta-feira, 19 de janeiro, a sua proposta para a criação do Vale do Pinhão. O objetivo é retomar a capacidade inovadora da cidade e aliar a cultura da inovação ao desenvolvimento social, em um núcleo que envolve diversos setores. Integrando o Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, universidades, órgãos públicos e instituições privadas, o Vale do Pinhão pretende ser o elo de ligação entre as instituições no desenvolvimento tecnológico da cidade.
O nome é uma alusão ao Vale do Silício. A ideia é criar facilitadores para unir uma região de Curitiba em que se concentram alguns dos principais campi universitários da cidade. A primeira ação será a implantação de uma ciclovia entre as faculdades que, vista no mapa, terá a forma de um pinhão – símbolo da capital paranaense.

 

Entre os campi, a prefeitura vai destinar o Moinho Rebouças – um prédio público atualmente ocupado pela Fundação Cultural de Curitiba – para ser um coworking público e incubador de startups. “Onde antes nós moíamos erva-mate para fazer chimarrão, agora vamos moer neurônios para fazer tecnologia da informação. Nós temos vontade de conseguir financiamento do BNDES, também de organismos internacionais, para esse grande projeto de geração de emprego para a mocidade”, disse o prefeito de Curitiba, Rafael Greca.

 

Para o presidente do Ippuc, Reginaldo Reinert, o Vale do Pinhão vem para integrar estruturas existentes com novos espaços. “O projeto vai integrar parques, universidades, locais de saber e cultura em um grande projeto readequação urbana”, afirmou.

 

“O projeto também vai aliar a revitalização dos espaços com a geração de emprego e renda. Curitiba vai retomar a capacidade de inovar, vamos juntar forças em ações de desenvolvimento tecnológico para todos”, ressaltou Tiago Francisco da Silva, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento.

P

Workshop de Ideias

Vale do Pinhão

Planta do Vale do Pinhão: área concentra universidades de Curitiba. FOTO: PMC

 

A apresentação do projeto ocorreu durante o 1º Workshop de Ideias para o Vale do Pinhão, que reuniu mais de 300 pessoas interessadas em inovação e empreendedorismo. Foi realizado um debate de sugestões, em que participantes tiveram cinco minutos para propor ações ao Vale.

 

Ricardo Dória, diretor do Aldeia Coworking, falou da empolgação com o projeto e elogiou a visão da Prefeitura com os empreendedores locais: “Fizemos mais de 300 eventos relacionados à inovação nos últimos anos e agora temos uma sinalização do poder público de real parceria com gente que inova e empreende na cidade. Estamos muito felizes e desde já somos parceiros”, afirmou Dória.

 

Carlos Sandrini, presidente do Centro Europeu, saudou a iniciativa e colocou a empresa à serviço do projeto. “Temos uma vocação natural com inovação, e com certeza iremos somar à essa importante causa”.

P

Por Osny Tavares, da Redação ISCBA
 
 

Inspirado no Vale do Silício, Curitiba lança o “Vale do Pinhão” para fomentar startups e inovações em tecnologia

moinho rebouças

Moinho Rebouças, uma antiga fábrica de processamento de erva-mate, será transformado em coworking público. FOTO: Arquivo/PMC

P

A Prefeitura de Curitiba apresentou na última quinta-feira, 19 de janeiro, a sua proposta para a criação do Vale do Pinhão. O objetivo é retomar a capacidade inovadora da cidade e aliar a cultura da inovação ao desenvolvimento social, em um núcleo que envolve diversos setores. Integrando o Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, universidades, órgãos públicos e instituições privadas, o Vale do Pinhão pretende ser o elo de ligação entre as instituições no desenvolvimento tecnológico da cidade.
O nome é uma alusão ao Vale do Silício. A ideia é criar facilitadores para unir uma região de Curitiba em que se concentram alguns dos principais campi universitários da cidade. A primeira ação será a implantação de uma ciclovia entre as faculdades que, vista no mapa, terá a forma de um pinhão – símbolo da capital paranaense.

 

Entre os campi, a prefeitura vai destinar o Moinho Rebouças – um prédio público atualmente ocupado pela Fundação Cultural de Curitiba – para ser um coworking público e incubador de startups. “Onde antes nós moíamos erva-mate para fazer chimarrão, agora vamos moer neurônios para fazer tecnologia da informação. Nós temos vontade de conseguir financiamento do BNDES, também de organismos internacionais, para esse grande projeto de geração de emprego para a mocidade”, disse o prefeito de Curitiba, Rafael Greca.

 

Para o presidente do Ippuc, Reginaldo Reinert, o Vale do Pinhão vem para integrar estruturas existentes com novos espaços. “O projeto vai integrar parques, universidades, locais de saber e cultura em um grande projeto readequação urbana”, afirmou.

 

“O projeto também vai aliar a revitalização dos espaços com a geração de emprego e renda. Curitiba vai retomar a capacidade de inovar, vamos juntar forças em ações de desenvolvimento tecnológico para todos”, ressaltou Tiago Francisco da Silva, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento.

P

Workshop de Ideias

Vale do Pinhão

Planta do Vale do Pinhão: área concentra universidades de Curitiba. FOTO: PMC

 

A apresentação do projeto ocorreu durante o 1º Workshop de Ideias para o Vale do Pinhão, que reuniu mais de 300 pessoas interessadas em inovação e empreendedorismo. Foi realizado um debate de sugestões, em que participantes tiveram cinco minutos para propor ações ao Vale.

 

Ricardo Dória, diretor do Aldeia Coworking, falou da empolgação com o projeto e elogiou a visão da Prefeitura com os empreendedores locais: “Fizemos mais de 300 eventos relacionados à inovação nos últimos anos e agora temos uma sinalização do poder público de real parceria com gente que inova e empreende na cidade. Estamos muito felizes e desde já somos parceiros”, afirmou Dória.

 

Carlos Sandrini, presidente do Centro Europeu, saudou a iniciativa e colocou a empresa à serviço do projeto. “Temos uma vocação natural com inovação, e com certeza iremos somar à essa importante causa”.

P

Por Osny Tavares, da Redação ISCBA
Categorias: Planejamento Urbano e Construção.
 

Leia também

 
Governança e economia

Visto eletrônico deve injetar R$ 1,4 bi...

A entrada no Brasil de turistas provenientes dos Estados Uni...


Leia mais
Resiliência e Segurança

Vice-presidentes do ISCBA fazem reunião...

Os vice-presidentes do Instituto Smart City Business America...


Leia mais
Cidades colaborativas e sustentáveis

Veja os destaques do segundo dia do SCBA...

O segundo dia do Smart City Business America Congress &...


Leia mais
Mobilidade Urbana

Veículos elétricos ganham cada vez mai...

Existe a expectativa de que maioria da frota mundial de veíc...


Leia mais