logo_smart
iconefaceiconeutubeinonelinkedin iconeflickr
 
 
 
Categorias: Energia.
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInCopy LinkPrintShare

A Estação Guariroba, em Ceilândia, seria apenas mais uma das estações de metrô de Brasília se não fosse pelo fato dela ser a primeira a utilizar a energia solar como fonte de energia.

A estação administrada pelo Metrô-DF utiliza 578 placas voltaicas para a captação de energia solar. O sistema gera, por ano, 288 mil quilowatts/hora, o suficiente para abastecer o consumo local e gerar excedentes para outras partes do sistema metroviário brasiliense.

A Estação Solar Guariroba é um projeto piloto do Governo de Brasília para gerar energia limpa e sustentável. Em entrevista ao Correio Braziliense, o presidente do Metrô-DF, Marcelo Dourado, disse que a previsão é de que a companhia consiga poupar aproximadamente R$ 150 mil ao ano com o novo sistema.

“A economia financeira vai ser investida na expansão do próprio sistema, buscando sempre implementar em mais estações a tecnologia. Isso é crucial para a mobilidade de Brasília, que não deve ser pensada apenas com a intenção de transportar, mas de ser sustentável”, declarou o presidente.

A estação é a primeira com captação de energia solar e totalmente sustentável da América Latina e a quarta estação solar do mundo. As outras estações estão instaladas em Milão (Itália), Nova Iorque (Estados Unidos) e Nova Deli (Índia).

E os planos para o desenvolvimento sustentável parecem não parar por aqui. Já estão previstos outros três projetos que utilizam a energia solar como fonte principal. São elas duas paradas de passageiros, em Samambaia Sul e Feira, e uma Usina Solar no Centro Operacional do Metrô. A expectativa é que elas consigam atender aproximadamente um terço da demanda energética da companhia, gerando uma economia superior a R$ 1 milhão ao mês na conta de energia elétrica.

A captação de energia através dos painéis é mais que suficiente para abastecer a estação.

Energia solar é uma tecnologia cara?

Um dos argumentos mais utilizados para não se investir em energia solar (e em outras fontes de energia renováveis) é seu preço. Por muitas vezes, parte-se do pressuposto que a instalação de telhas e das tecnologias sustentáveis chega a ser cara, o que nem sempre é verdade.

A longo prazo, gerar a própria energia acaba sendo mais rentável e, para a surpresa de muitos, uma telha solar pode ser até mais barata que uma telha convencional.

Em setembro, a Tesla anunciou os preços de seus painéis fotovoltaicos. Surpreendentemente, eles chegam a ser 20% mais baratos que as telhas convencionais considerando o fator da economia de energia e créditos fiscais. Elas chegam a custar US$ 21,85 o metro quadrado.

Apesar do Brasil ser um país com boa incidência de raios solares, atualmente, contamos apenas com de 12 mil sistemas fotovoltaicos instalados no país, número muito inferior aos líderes mundiais em energia solar como a Alemanha (1,5 milhão de sistemas) e outros países o Chile, Tailândia e a África do Sul.

 
 

Metrô em Brasília utiliza energia solar como fonte de energia

FacebookTwitterWhatsAppLinkedInCopy LinkPrintShare

A Estação Guariroba, em Ceilândia, seria apenas mais uma das estações de metrô de Brasília se não fosse pelo fato dela ser a primeira a utilizar a energia solar como fonte de energia.

A estação administrada pelo Metrô-DF utiliza 578 placas voltaicas para a captação de energia solar. O sistema gera, por ano, 288 mil quilowatts/hora, o suficiente para abastecer o consumo local e gerar excedentes para outras partes do sistema metroviário brasiliense.

A Estação Solar Guariroba é um projeto piloto do Governo de Brasília para gerar energia limpa e sustentável. Em entrevista ao Correio Braziliense, o presidente do Metrô-DF, Marcelo Dourado, disse que a previsão é de que a companhia consiga poupar aproximadamente R$ 150 mil ao ano com o novo sistema.

“A economia financeira vai ser investida na expansão do próprio sistema, buscando sempre implementar em mais estações a tecnologia. Isso é crucial para a mobilidade de Brasília, que não deve ser pensada apenas com a intenção de transportar, mas de ser sustentável”, declarou o presidente.

A estação é a primeira com captação de energia solar e totalmente sustentável da América Latina e a quarta estação solar do mundo. As outras estações estão instaladas em Milão (Itália), Nova Iorque (Estados Unidos) e Nova Deli (Índia).

E os planos para o desenvolvimento sustentável parecem não parar por aqui. Já estão previstos outros três projetos que utilizam a energia solar como fonte principal. São elas duas paradas de passageiros, em Samambaia Sul e Feira, e uma Usina Solar no Centro Operacional do Metrô. A expectativa é que elas consigam atender aproximadamente um terço da demanda energética da companhia, gerando uma economia superior a R$ 1 milhão ao mês na conta de energia elétrica.

A captação de energia através dos painéis é mais que suficiente para abastecer a estação.

Energia solar é uma tecnologia cara?

Um dos argumentos mais utilizados para não se investir em energia solar (e em outras fontes de energia renováveis) é seu preço. Por muitas vezes, parte-se do pressuposto que a instalação de telhas e das tecnologias sustentáveis chega a ser cara, o que nem sempre é verdade.

A longo prazo, gerar a própria energia acaba sendo mais rentável e, para a surpresa de muitos, uma telha solar pode ser até mais barata que uma telha convencional.

Em setembro, a Tesla anunciou os preços de seus painéis fotovoltaicos. Surpreendentemente, eles chegam a ser 20% mais baratos que as telhas convencionais considerando o fator da economia de energia e créditos fiscais. Elas chegam a custar US$ 21,85 o metro quadrado.

Apesar do Brasil ser um país com boa incidência de raios solares, atualmente, contamos apenas com de 12 mil sistemas fotovoltaicos instalados no país, número muito inferior aos líderes mundiais em energia solar como a Alemanha (1,5 milhão de sistemas) e outros países o Chile, Tailândia e a África do Sul.

Categorias: Energia.
 

Leia também