logo_smart
iconefaceiconeutubeinonelinkedin iconeflickr
 
 
 
Categorias: Energia.
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInCopy LinkPrintShare
SC energia

Mulher cozinhando com lenha na cidade de Shimla, Índia. Carência de eletricidade estimula uso de alternativas poluentes. Foto: iStock by Getty Images

P

Mais de um bilhão de pessoas ainda vivem diariamente sem acesso a energia elétrica. Os dados constam de relatório do Global Tracking Framework (GTF) divulgado em Nova York pelo Banco Mundial e pela Agência Internacional de Energia. O levantamento traz dados de eletricidade de 2014 e há países na África onde a taxa de eletrificação está caindo. A universalização da eletricidade é fundamental para os esforços globais por sustentabilidade, uma vez que a energia elétrica tende a ser substituída por carvão e outros combustíveis poluentes.

O relatório mostra que o aumento de pessoas com acesso à eletricidade está mais lento. Se essa tendência não for revertida, as projeções são de que em ao final da próxima década, 8% da população não terão energia elétrica. Ou seja, o mundo não alcançará a meta de acesso universal à eletricidade. Entre os eixos analisados, apenas a eficiência energética progrediu: a quantidade de energia economizada durante os anos de 2012 e 2014, período abordado no relatório, equivale ao necessário para abastecer o Brasil e o Paquistão combinados.
Para atingir os objetivos de Energia Sustentável para Todos, estima-se que o investimento em energia renovável deveria aumentar de duas a três vezes, enquanto o em eficiência energética teria de aumentar em de 3 a 6 vezes. Estimativas sugerem que um aumento geral de cinco vezes seria necessário para alcançar o acesso universal até 2030.
Apesar do avanço em renováveis, o progresso global é considerado modesto. Embora as novas tecnologias de geração de energia, como a eólica e solar, estejam crescendo rapidamente, representando um terço da expansão do consumo de energia renovável em 2013-2014, este crescimento está se dando a partir de uma base pequena, apenas 4% do consumo de energia renovável em 2012. O desafio, apontou o relatório é aumentar a dependência das energias renováveis nos setores de aquecimento e de transportes, que representam a maior parte do consumo global de energia.
Na avaliação de Rachel Kyte, CEO e Representante Especial do Secretário-Geral da ONU para a Energia Sustentável para Todos, se o mundo quiser tornar em realidade o acesso a energia limpa, acessível e confiável, a ação deve ser conduzida por meio da liderança política. E ainda, que esses dados são um alerta para que os líderes mundiais tomem medidas mais urgentes e focadas no acesso à energia, melhorando a eficiência e o uso das energias renováveis para atingir os objetivos.
Em sua terceira edição, o relatório mede o progresso de 2012 a 2014 em três metas globais de sustentabilidade: acesso universal à eletricidade e cozimento limpo, dobrando a taxa global de melhoria na eficiência energética e dobrando a participação das energias renováveis no mix energético global até 2030.
P
Por Agência Internacional de Energia
 
 

Mundo tem um bilhão de pessoas sem acesso à eletricidade

FacebookTwitterWhatsAppLinkedInCopy LinkPrintShare
SC energia

Mulher cozinhando com lenha na cidade de Shimla, Índia. Carência de eletricidade estimula uso de alternativas poluentes. Foto: iStock by Getty Images

P

Mais de um bilhão de pessoas ainda vivem diariamente sem acesso a energia elétrica. Os dados constam de relatório do Global Tracking Framework (GTF) divulgado em Nova York pelo Banco Mundial e pela Agência Internacional de Energia. O levantamento traz dados de eletricidade de 2014 e há países na África onde a taxa de eletrificação está caindo. A universalização da eletricidade é fundamental para os esforços globais por sustentabilidade, uma vez que a energia elétrica tende a ser substituída por carvão e outros combustíveis poluentes.

O relatório mostra que o aumento de pessoas com acesso à eletricidade está mais lento. Se essa tendência não for revertida, as projeções são de que em ao final da próxima década, 8% da população não terão energia elétrica. Ou seja, o mundo não alcançará a meta de acesso universal à eletricidade. Entre os eixos analisados, apenas a eficiência energética progrediu: a quantidade de energia economizada durante os anos de 2012 e 2014, período abordado no relatório, equivale ao necessário para abastecer o Brasil e o Paquistão combinados.
Para atingir os objetivos de Energia Sustentável para Todos, estima-se que o investimento em energia renovável deveria aumentar de duas a três vezes, enquanto o em eficiência energética teria de aumentar em de 3 a 6 vezes. Estimativas sugerem que um aumento geral de cinco vezes seria necessário para alcançar o acesso universal até 2030.
Apesar do avanço em renováveis, o progresso global é considerado modesto. Embora as novas tecnologias de geração de energia, como a eólica e solar, estejam crescendo rapidamente, representando um terço da expansão do consumo de energia renovável em 2013-2014, este crescimento está se dando a partir de uma base pequena, apenas 4% do consumo de energia renovável em 2012. O desafio, apontou o relatório é aumentar a dependência das energias renováveis nos setores de aquecimento e de transportes, que representam a maior parte do consumo global de energia.
Na avaliação de Rachel Kyte, CEO e Representante Especial do Secretário-Geral da ONU para a Energia Sustentável para Todos, se o mundo quiser tornar em realidade o acesso a energia limpa, acessível e confiável, a ação deve ser conduzida por meio da liderança política. E ainda, que esses dados são um alerta para que os líderes mundiais tomem medidas mais urgentes e focadas no acesso à energia, melhorando a eficiência e o uso das energias renováveis para atingir os objetivos.
Em sua terceira edição, o relatório mede o progresso de 2012 a 2014 em três metas globais de sustentabilidade: acesso universal à eletricidade e cozimento limpo, dobrando a taxa global de melhoria na eficiência energética e dobrando a participação das energias renováveis no mix energético global até 2030.
P
Por Agência Internacional de Energia
Categorias: Energia.
 

Leia também