logo_smart
iconefaceiconeutubeinonelinkedin iconeflickr
 
 
 
Categorias: Sociedades Inteligêntes.
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInCopy LinkPrintShare

Mesmo não sendo encontradas atualmente no Brasil, as Smart Cities podem virar realidade em um futuro próximo. É o que defende Giovanni Sávio, CEO da Planet Idea, empresa italiana que desenvolve projetos para cidades inteligentes. Ele explicou que a cidade ideal deve ser atrativa, inclusiva, saudável, equilibrada, ecológica, eficiente, interativa, segura.

Giovanni ainda destacou que as palavras mais importantes neste meio são integração e disponibilização dos dados de forma simples. Mas que nada disso adianta se realmente não forem reconhecidas: “Importante é implantar as soluções inovadoras nas plantas arquitetônicas”. Ele explanou também sobre o Bairro Inteligente de Milão, no qual trabalhou. Neste bairro, são oferecidos diversos característicos para que seja considerado realmente inteligente. Porém, alguns deles não gerarão custos para os habitantes, por exemplo: recarga de carro elétrico, placa fotovoltaica, fibra ótica, medidor inteligente, bicicleta compartilhada, fornecimento de agua, iluminação. Todos estes serão oferecidos pelas empresas parceiras. Já o Wi-Fi gratuito virá acompanhado de anúncios publicitários. De todo o planejamento, o que irá custar mais será o projeto de segurança do bairro.

A Planet Idea ainda tem 2 projetos a serem apresentados, todos em Milão: revitalização de apartamentos com todos os conceitos que envolvem Smart Cities e a construção de mais 800 apartamentos sociais, também integrados com o princípio da cidade inteligente.

Já Janilson Junior, Diretor de Inovação da TIM, que também participou do debate, confessa que ainda há dificuldade de levar a conectividade para as pessoas, muitas vezes por limitações físicas. Mas também defende que “4g foi o que permitiu as pessoas se conectarem em massa com o mundo”, não a banda larga doméstica. Graças aos smartphones, boa parte da população também tem acesso à internet. Isso mostra que ainda há muito para se avançar na infraestrutura para a construção das Cidades Inteligentes.

Leia mais matérias do Smart City Business Congress & Expo.

 
 

Painel mostra que a dificuldade de proporcionar internet à toda a população é uma das barreiras para construção das Smart Cities no Brasil

FacebookTwitterWhatsAppLinkedInCopy LinkPrintShare

Mesmo não sendo encontradas atualmente no Brasil, as Smart Cities podem virar realidade em um futuro próximo. É o que defende Giovanni Sávio, CEO da Planet Idea, empresa italiana que desenvolve projetos para cidades inteligentes. Ele explicou que a cidade ideal deve ser atrativa, inclusiva, saudável, equilibrada, ecológica, eficiente, interativa, segura.

Giovanni ainda destacou que as palavras mais importantes neste meio são integração e disponibilização dos dados de forma simples. Mas que nada disso adianta se realmente não forem reconhecidas: “Importante é implantar as soluções inovadoras nas plantas arquitetônicas”. Ele explanou também sobre o Bairro Inteligente de Milão, no qual trabalhou. Neste bairro, são oferecidos diversos característicos para que seja considerado realmente inteligente. Porém, alguns deles não gerarão custos para os habitantes, por exemplo: recarga de carro elétrico, placa fotovoltaica, fibra ótica, medidor inteligente, bicicleta compartilhada, fornecimento de agua, iluminação. Todos estes serão oferecidos pelas empresas parceiras. Já o Wi-Fi gratuito virá acompanhado de anúncios publicitários. De todo o planejamento, o que irá custar mais será o projeto de segurança do bairro.

A Planet Idea ainda tem 2 projetos a serem apresentados, todos em Milão: revitalização de apartamentos com todos os conceitos que envolvem Smart Cities e a construção de mais 800 apartamentos sociais, também integrados com o princípio da cidade inteligente.

Já Janilson Junior, Diretor de Inovação da TIM, que também participou do debate, confessa que ainda há dificuldade de levar a conectividade para as pessoas, muitas vezes por limitações físicas. Mas também defende que “4g foi o que permitiu as pessoas se conectarem em massa com o mundo”, não a banda larga doméstica. Graças aos smartphones, boa parte da população também tem acesso à internet. Isso mostra que ainda há muito para se avançar na infraestrutura para a construção das Cidades Inteligentes.

Leia mais matérias do Smart City Business Congress & Expo.

Categorias: Sociedades Inteligêntes.
 

Leia também