logo_smart
iconefaceiconeutubeinonelinkedin iconeflickr
 
 
 
Categorias: Energia.
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInCopy LinkPrintShare
minas gerais - asja - sabará - energia

Usina tem capacidade para abastecer uma cidade de 50 mil habitantes. Imagem: Cidade Sabará

 

O aterro sanitário de Sabará, município da região metropolitana de Belo Horizonte, ganhou um forte aliado para aprimorar a gestão de resíduos sólidos da região. Foi inaugurado uma nova usina de biogás dentro do próprio aterro, que utilizará os resíduos para gerar energia elétrica para as cidades mineiras.

A usina foi planejada e construída pela empresa italiana Asja em parceria com a Macaúbas Meio Ambiente S.A., pertencente à Vital Engenharia Ambiental, e contou com um investimento de mais de R$ 20 milhões.

Ela atua em uma potência de 5,7 megawatts (MW) e utiliza o biogás produzido na fermentação anaeróbica dos resíduos do aterro como combustível para gerar energia. Os motores são capazes de gerar 46 mil MW-h de energia elétrica por ano, que são capazes de abastecer uma cidade de 50 mil habitantes, por exemplo.

A energia elétrica gerada é encaminhada para a Cemig – Companhia Energética de Minas Gerais, que é responsável pela distribuição para a cidades da região.

A Asja possui uma estimativa de que, com a energia gerada pelo próprio aterro, a unidade evitará a emissão de 380 mil toneladas de CO² no meio ambiente.

 

usina sabará - minas gerais - energia - asja - wander borges

Prefeito do município de Sabará, Wander Borges, celebra a abertura da usina juntamente com executivos da Asja. Imagem: Divulgação

 

O Aterro

O aterro sanitário de Sabará compreende uma área de 1 milhão de m² e entrou em operação em novembro de 2015. Ele é responsável por receber os resíduos sólidos urbanos do próprio município, da capital Belo Horizonte e região metropolitana.

Atualmente, o aterro já recebeu 12 milhões de m³ de resíduos sólidos, ele possui uma rede de captação de 110 poços verticais e conta com apenas quatro funcionários por ser totalmente automatizado.

Visando o desenvolvimento sustentável, as cidades têm procurado soluções para se adequarem à Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei nº 12.305/10), que prevê uma gestão de resíduos mais eficiente nos municípios. Ela se baseia em princípios como a prevenção e redução na sua geração, reciclagem e reaproveitamento de materiais de diversas formas, inclusive com a transformação deles em energia.

 

 
 

Usina em Minas Gerais gera energia elétrica com fermentação de resíduos

FacebookTwitterWhatsAppLinkedInCopy LinkPrintShare
minas gerais - asja - sabará - energia

Usina tem capacidade para abastecer uma cidade de 50 mil habitantes. Imagem: Cidade Sabará

 

O aterro sanitário de Sabará, município da região metropolitana de Belo Horizonte, ganhou um forte aliado para aprimorar a gestão de resíduos sólidos da região. Foi inaugurado uma nova usina de biogás dentro do próprio aterro, que utilizará os resíduos para gerar energia elétrica para as cidades mineiras.

A usina foi planejada e construída pela empresa italiana Asja em parceria com a Macaúbas Meio Ambiente S.A., pertencente à Vital Engenharia Ambiental, e contou com um investimento de mais de R$ 20 milhões.

Ela atua em uma potência de 5,7 megawatts (MW) e utiliza o biogás produzido na fermentação anaeróbica dos resíduos do aterro como combustível para gerar energia. Os motores são capazes de gerar 46 mil MW-h de energia elétrica por ano, que são capazes de abastecer uma cidade de 50 mil habitantes, por exemplo.

A energia elétrica gerada é encaminhada para a Cemig – Companhia Energética de Minas Gerais, que é responsável pela distribuição para a cidades da região.

A Asja possui uma estimativa de que, com a energia gerada pelo próprio aterro, a unidade evitará a emissão de 380 mil toneladas de CO² no meio ambiente.

 

usina sabará - minas gerais - energia - asja - wander borges

Prefeito do município de Sabará, Wander Borges, celebra a abertura da usina juntamente com executivos da Asja. Imagem: Divulgação

 

O Aterro

O aterro sanitário de Sabará compreende uma área de 1 milhão de m² e entrou em operação em novembro de 2015. Ele é responsável por receber os resíduos sólidos urbanos do próprio município, da capital Belo Horizonte e região metropolitana.

Atualmente, o aterro já recebeu 12 milhões de m³ de resíduos sólidos, ele possui uma rede de captação de 110 poços verticais e conta com apenas quatro funcionários por ser totalmente automatizado.

Visando o desenvolvimento sustentável, as cidades têm procurado soluções para se adequarem à Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei nº 12.305/10), que prevê uma gestão de resíduos mais eficiente nos municípios. Ela se baseia em princípios como a prevenção e redução na sua geração, reciclagem e reaproveitamento de materiais de diversas formas, inclusive com a transformação deles em energia.

 

Categorias: Energia.
 

Leia também